Friday, September 18, 2009

The Nose


In English

"When I was fourteen my grandparents suggested that I needed plastic surgery. They made an appointment with a famous cosmetic surgeon, and it was decided that my nose should be straightened, that a scar on my left leg should be covered up with a piece of skin taken from my ass and that my ears should be pulled back. I had doubts, but they reassured me, I could change my mind up until the very last moment. In the end, though, it was Doctor F. himself who put and end to my dilemma. Two days before the operation, he committed suicide."


...


Em Português

"Quando eu tinha 14 anos meus avós sugeriram que eu precisava de cirurgia plástica. Eles marcaram uma consulta com um cirurgião plástico famoso, e então ficou decidido que o meu nariz deveria ser corrigido de modo a ficar mais reto, que uma cicatriz na minha perna esquerda deveria ser corrigida com um pedaço de pele a ser retirado da minha bunda e que as minhas orelhas (de abano) deveriam ser puxadas pra trás. Eu tive dúvidas, porém eles me reafirmaram o tempo todo que eu poderia mudar de opinião até o último minuto. No final das contas entretanto, foi o próprio Doutor F. que pôs um fim ao meu dilema. Dois dias antes da cirurgia ele cometeu suicídio"






Esse foi um quadro q eu vi no Metropolitan Museum e que me marcou um bocado... tanto q eu tirei foto e fiz questão de postar aqui.


Vale a pena repensar até que ponto nossos defeitos são defeitos e até que ponto são apenas características e parte integrante do que de fato somos.


6 comments:

Dani Claudino said...

Uau...profundo!! Muito legal! Pensei tanto em vc ontem!!! Vou te mandar um e-mail!
beeeeju

Alexsandra Moreira said...

Que lição né? E nós pensamos muitas vezes procurar ajuda com outro...

bj

Kell said...

Adorei!
Ano passado entrei na faca pra tentar consertar meu braço torto, que me acompanha desde os 2 anos de idade. (In)felizmente nada mudou e meu braço continua torto. Mas ele á parte de mim há tanto tempo que eu realmente nem criei tanta expectativa quanto á mudança, talvez porque lá no fundo eu o prefiro assim.
Nossas imperfeições nos torna únicos. ninguém nunca terá um braço torto como o meu. Nem cicatrizes nas quais eu vejo pequenos insetos. Ou nas duas grandes, que são as centopéias.

Drunken Alina said...

Que loucura.
Gostei.

Beijão!!

Ana Barros said...

Algumas coisas são parte integrante da nossa personalidade e não podem ser vendidas separadamente (rs)

Dione said...

Vou pensar duas vezes agora...

Beijo!!!